quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A gestão do reforço do plantel

A gestão do reforço da equipa de futebol do Sporting foi claramente mal planeada e, na sua globalidade, revelou algum amadorismo e uma enorme incompetência.

Ao contrário da última época que se iniciou pouco tempo após o acto eleitoral, José Eduardo Bettencourt teve, desta feita, um ano inteiro para encontrar investidores, fechar a reestruturação financeira ou encontrar outras formas de financiar a reformulação do plantel que competiu numa inacreditável época passada. Mas não o conseguiu!

E sobre esta questão, se lhe tivessem fechado as portas que, por sua vez, escancararam a outros, tinha o dever de, em defesa dos interesses do Sporting, tornar públicas essas diferenças de tratamento e dar a conhecer aos sportinguistas esses indivíduos ou essas entidades. Mas não o fez!

No entanto, as ideias que foram passadas pelos responsáveis do clube para a comunicação social, e que aumentaram naturalmente as expectativas dos adeptos, apontavam claramente para uma aposta forte no mercado durante este verão. Porém, nada disso se verificou e o montante investido foi praticamente o mesmo que renderam as vendas de João Moutinho e Miguel Veloso. Contavam realizar outros encaixes financeiros com as referidas vendas? Confiaram em situações que acabaram por não se concretizar? Foram enganados noutros casos?

A gestão da comunicação foi igualmente deplorável. Qual a necessidade de Paulo Sérgio começar por dizer, no arranque da pré-época, que faltavam 7, 8 ou 9 reforços? Qual a necessidade de Costinha referir, na última semana de mercado, que faltavam 2 reforços? Qual a necessidade de Paulo Sérgio dar tanta corda à comunicação social e andar a falar em pinheiros ou bonsais? Ainda por cima para não vir ninguém…

Por outro lado, volto a referir que estou farto de ver o clube a ser literalmente gozado por alguma comunicação social e não existir uma defesa e uma resposta adequada. O clube não tem sido defendido como merece! Para que servem os comunicados macios e apelar à promoção da indústria do futebol? Resposta simples - para nada!

Na minha opinião, os responsáveis pelo clube, e nomeadamente pelo futebol, arriscaram tudo. É verdade que, não entrando em loucuras financeiras, não colocaram em causa o futuro do clube. Mas, não sabendo gerir com a competência exigida a preparação desta época, colocaram em causa o seu futuro no clube.

Vou terminar este post da única forma possível. Está tudo em aberto nesta nova época e, enquanto tal se verificar e a nossa equipa de futebol estiver a lutar por vencer as várias competições em que participa, só resta aos verdadeiros sportinguistas acreditar e apoiar, apoiar e continuar a apoiar o nosso grande Amor! No final, para o bem e para o mal, falaremos. E, caso corra mal, não haverá desculpas!

2 comentários:

Anónimo disse...

Assino por baixo.
De facto, o que está aqui em causa não é a dedicação nem o fervor clubistico do Costinha, por exemplo.
O que vimos neste processo todo foi a natural falta de tarimba do director desportivo e do treinador.
O presidente remeteu-se e bem ao silêncio quase todo o tempo.
E é natural porque um estreia-se a treinar uma equipa de topo e o outro está no 1º ano como director desportivo.
Sabemos, porém, que erros cometidos no presente servem de lição para o futuro e o que esperamos é que os senhores tenham aprendido.
Portanto, ao longo do tempo estou à espera que esta dupla se apresente cada vez melhor e mais madura.
Zico

degas disse...

Caros leões,

Também acho k isto do pinheiro não devia vir para a Com. Social.
Agora não veio o homem e está tudo a bater no JEB, Costinha, etc.

Vamos esperar para ver se este Tales é jogador à Sporting.
(esperemos k não seja outro Celsinho)

SL