quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Ricardo Andorinho - Recordar Alvalade

Esta foi a primeira vez que recebi um convite para escrever sobre o andebol do Sporting. É para mim uma honra escrever estas linhas para o maissporting.blogspot.com.
.
Fui contratado para jogar no Sporting no ano de 1994 e, ao recordar esses tempos, é tão difícil quanto emocionante descrever o ambiente que os mais diversos desportistas viviam na conhecida Nave de Alvalade. A diversidade de modalidades e a qualidade desportiva que sempre caracterizou os atletas leoninos fizeram do Estádio José Alvalade um local com uma vida própria e única.
.
Não só conhecemos os atletas de elite desses anos, como conhecemos os adeptos mais apaixonados que passavam várias horas do dia em Alvalade, muitas vezes a circundar o Estádio onde a porta 10A, a entrada da Nave, a porta 1 e a entrada para as modalidades de combate eram paragens obrigatórias. Cheguei a jogar ténis de mesa com atletas consagrados como o meu amigo Pedro Miguel, João Pedro Monteiro ou o Chen. Cheguei a treinar andebol na pista de atletismo ao lado do Rui Silva e da Naide Gomes e cheguei a nadar na mesma piscina com outros campeões. Era normal depois do nosso treino ver o treino de basquetebol ou de voleibol feminino e observávamos os miúdos do futebol de formação a treinarem no pavilhão quando o tempo não ajudava. Cheguei a conhecer o Cristiano Ronaldo e mais recentemente o Hugo Viana e sempre falámos desses anos onde a nossa vida profissional e desportiva se cruzou. O Sporting era para mim o Estádio e o ambiente que ali se respirava.
.
Fiquei tão triste com a destruição da Nave que, na última vez que visitei os meus antigos colegas, perguntei para mim mesmo depois de tanto tempo – Porquê? Será que quem tomou essa decisão não percebeu que havia uma cultura e uma emoção muito grande em relação àquele Estádio? Na minha opinião houve outras coisas que caíram com as pedras.
.
O Sporting renovou o Estádio mas vendeu quase tudo (que era muito no ano de 1994), incluindo um pouco da sua alma. Para além do menor número de modalidades, o espaço está longe de conseguir dar a resposta, a todos os seus visitantes e utilizadores, que a velha mas gloriosa Nave dava.
.
A responsabilidade de tudo o que se passa no Sporting é de todos os sportinguistas.
.
Orgulhoso do Sportinguismo que levo dentro.
Saudações leoninas,
Ricardo Andorinho

21 comentários:

degas disse...

Um abraço Ricardo,
percebe-se que sentes o clube.

Que bom que seria que em TODAS as modalidades do Sporting existisse o amor à camisola que tu demonstras-te (e demonstras).

Falta alma (para não dizer outra coisa) a muitos que saíram e se esqueceram que, se hoje são quem são, devem-no também à Instituição Leonina. Nomes?
- Cristiano Ronaldo;
- Nani;
- Simão Sabrosa;
- Quaresma;
- etc.

(parece que têm vergonha de terem sido resgatados da pobreza pelo Sporting)

Mas TU NÃO, Ricardo.

SL

Mikos disse...

Gostei muito do texto do Ricardo Andorinho, eu tenho 39 anos e passei muitas horas da minha adolescência na nave de Alvalade onde se vivia a verdadeira mística Leonina, via o Andebol, o Basket, o Vóley e o Hoquey em patins, pois na altura estava tudo bem programado e os jogos tinham as horas desencontradas para as pessoas verem todas as modalidades. A nave estava sempre cheia, lembro-me de ter visto uma final europeia em Hoquey com o Nóia que o SCP ganhou com a nave com 4000 pessoas ninguém se conseguía mexer, era lindo!
Perdeu-se muita coisa com o caír das pedras como diz o Ricardo. Ele era um jogador extraordinário e os Sportinguistas sentiram isso como se tratasse de uma vedeta do futebol. Sempre tive esperança que voltasse a jogar no Sporting mas a lesão que sofreu deitou essa esperança por terra, foi pena.
Saudações Leoninas a todos e um abraço especial ao Ricardo Andorinho!

EDSILVA disse...

Grande Ricardo! Serás sempre uma das grandes e mais recentes referências do Andebol do Sporting, só equiparável ao grande e saudoso Carlos Silva que preencheu durante muitos e bons anos a baliza do Sporting e da Selecção Nacional.
Bem hajas e Saudações Leoninas.

Hugo Malcato disse...

Ricardo,

Parabéns por mais um excelente testemunho sobre o Sporting.

Um grande abraço,

Hugo Malcato

tiago SCP disse...

um caso de puro sportinguismo,um exemplo a seguir.
abraço ricardo,
parabens ao maissporting por esta cronica fabulosa de um verdadeiro sportinguista.


sl

MAT14S disse...

Ricardo, foste um FABULOSO jogador e vais ficar para sempre na memória de quem teve a felicidade de te ver jogar.

Deu para ver que és também um enorme sportinguista.

Obrigado Ricardo!

Um abraço e saudações leoninas

Sporting até morrer disse...

Grande Ricardo,

Que saudades do andebol desse tempo, e que grande manifestação de sportinguismo nos deste neste texto.

Espero que possamos comemorar todos juntos a conquista do título desta nova época, numa das modalidades que maiores alegrias sempre deu ao GRANDE SPORTING!

SL!

Anónimo disse...

em dos sportinguistas andarem a preocuparem-se em contratar mais um jogador pensem em fazer um pavilhão a sério para as modalidades.

Um jogador de 4 milhoes de euros mais 100 mil euros por mês durante 4 anos, dá para pagar um pavilhão.

saudações leoninas

André Cruz disse...

Grande Ricardo Andorinho,

Muita da minha adolescência foi a seguir o Andebol do Sporting, e tantas vezes que festejei os teus golos.

Muito obrigado por tudo e também pelo importante artigo que escreves, que espero que abra muitos olhos ao que se tem passado no Sporting nos últimos anos!

André Cruz

Pedro Neves disse...

Ricardo, ao ler as tuas palavras tb eu me lembrei do tempo e das sensações que vivi naquela Nave de Alvalade...
Eu pertencia, nesse tempo, aos juniores do voleibol masculino e recordo bem o chegar mais cedo para ver os treinos das outras modalidades, onde o andebol, o hoquei e o basquetebol faziam parte.
Recordo tb, como tu, os treinos que fazia na pista de atletismo e as experiências que trocávamos com todos os outros atletas.
Acima de tudo, penso que se vivia um espirito e uma cultura de Clube inigualável e que o fechar de algumas secções e a mudança de estádio fez desaparecer.
O novo estádio, apesar de ter condições incomparavelmente melhores que o anterior, perdeu toda uma estrutura desportiva ao não incluir a possibilidade das modalidades do Clube se concentrarem todas num mesmo espaço e não estarem desenraizadas por vários espaços (Loures, Casal Vistoso, etc...)
Saudações e vivências leoninas!!

Rui Pereira disse...

O paragrafo em que Ricardo diz: "A responsabilidade de tudo o que se passa no Sporting é de todos os sportinguistas" quer dizer muita coisa, quando tambem diz que com os estadio não caiu só pedras ele tem toda a razao, e percebe o valor de ser sportuinguista o que ja não acontece com as varias direcções que por ca passaram e ainda passam, delapidando o maior patrimonio do Sporting, a alma leonina leão.Quem conheceu o antigo estadio e a nave sabe do que me refiro. Estamos mais pobres na alma, mas a nossa capacidade de nos adaptarmos fara com que o passado esteja inerente ao futuro, e sao sportuinguistas como Ricardo Andorinho que me dão a certeza que este patrimonio não se vende, ele habita na Alma de Leão.SL

Anónimo disse...

nao sou sportinguista, mas sou andebolista e fã do infelizmente ex-jogador Ricardo Andorinho.
Fiquei arrepiado com todas as palavras proferidas por ele neste texto, é um texto muito bonito, que mais uma vez prova, que as modalidades ditas amadoras, são as que mais mistica e mito trazem aos clubes, chamados grandes, por causa da modalidade que dizem ser raínha o futebol!
Cresci e fui educado num clima senao igual, identico ao que Ricardo Andorinho relatou neste artigo, mas no vosso nao muito amado, estadio das antas. Lembro-me de quando era pequeno e nadava nas escolas do fcporto, sair da piscina e dar de caras com miudos da minha idade ou mais velhos a jogarem à bola, lembro-me de seguir em frente e entrar no pavilhao de treinos das camadas jovens de andebol e basquete e ver aquele pavilhão cheio de alegria com putos atras das bolas, lembro-me do bater das bolas no chão, a paixão que esse som transmitia. Lembro-me de sentir que aquelas modalidades todas eram uma equipa, e não um conjunto de modalidades independentes como sao hoje em dia!

E tudo isto, se dá porque cá em Portugal, so se preocupam em dar nas vistas, nem mesmo que tenham de destruir paixões para construir uma imagem modernista do nosso país.


Saudações a todos, e os meus parabens por este artigo fabuloso ;)

Juvenal Carvalho disse...

Ricardo,

Grande testemunho de alguém que vive o Sporting intensamente.

Grande Abraço

David disse...

Ricardo, foste apenas e só o melhor. Nota-se que és também um enorme sportinguista.
Grande Abraço e Saudações Leoninas

André disse...

Magnífico.

Obrigado pelo testemunho. É com sentimento de orgulho, mas também com muita pena, que recordo nestas palavras o que foi o SCP.

Obrigado!

sara borges andorinho disse...

nao posso deixar de comentar.

sou sportinguista de alma e coraçao e sem justificaçao.
ainda hoje me custa olhar para o vazio da porta da nave quando passo na direcçao do magriço pela alameda das linhas de torres, mas nao posso evitar faze-lo.
foi o meu local de treino diario ao longo de muitos anos. partilho integralmente o sentimento de pertença a um espirito, a uma entidade maior que era o sporting.
muitos frutos e de variada natureza sairam dessa "co-habitancia".
so tenho a agradecer ao sporting e neste caso ao ricardo por me fazer reviver...

com muita admiraçao pessoal e desportiva,

sara

Peyroteo disse...

Ricardo,

A forma como descreves o ambiente que envolvia o antigo estádio e, em concreto, as saudades que sentes pela velha nave só podem mesmo ser reais e sinceras.

E sabes porquê? Porque quem te viu jogar na antiga nave rapidamente percebia que aquele era o teu espaço, o teu ambiente e que te sentias em casa. A tua entrega, a tua atitude e a tua disponibilidade só seriam possíveis nesse contexto.

Obviamente que estás entre os melhores andebolistas portugueses de sempre. Se és o melhor ou não, acredito que as opiniões divergem consoante as preferências clubísticas. Mas parece-me consensual que foste o mais completo e mais espectacular!

Como alguém disse por aí, obrigado por todas as alegrias que nos deste. E já agora também por esta recente disponibilidade.

Abraço e Saudações Leoninas

8 disse...

São palavras como estas que me põem triste e que fazem com que desde 1995 não aprove as politicas que os vários elencos directivos que vêm dirigindo o meu Clube têm praticado. O meu amor ao Sporting obriga-me a respeitá-los, mas sempre com uma posição muito crítica.

Só quem tem um completo desconhecimento da realidade desportiva e associativa do Sporting Clube de Portugal ao longo dos seus 100 anos de vida, podia trocar um “estádio olímpico” onde ainda estava incluída uma nave desportiva, tudo propriedade do Clube, por um campo de futebol com bancadas para 50.000 pessoas (menos que o antigo estádio), e pouco mais, sem se preocupar em construir um pavilhão condigno

Como diz o Ricardo foi muito da alma do Sporting que se perdeu com a destruição do antigo estádio e infraestruturas associadas. Era uma família de alguns milhares que ali se reunia diariamente e que aos dias de jogo se juntavam mais uns milhares. Muito esforço, muitas alegrias, muito suar estavam associados àqueles espaços de grande amor Sportinguista.

A alguns disseram: “Vocês agora vão voltar a andar com a casa às costas” mas a outros disseram mais: “Vocês não interessam ao Sporting. O Sporting é muito grande, mas agora queremos um Sporting mais pequeno, portanto vão para outro lado à procura de outros clubes”.

Isto foi uma facada muito grande no Sporting Clube de Portugal, e os resultados estão a ver-se: já nem nos principais jogos de futebol conseguimos encher o actual estádio.

No post de baixo fala-se na proximidade da resolução do assunto pavilhão. Também eu estou esperançado, mas peço muita contenção: penso que é uma negociação que tem que ser tratada “com pinças”, pelo que devemos estar calmos (mas atentos) sem grandes conversas sobre o assunto porque há assuntos em que o segredo é a alma do negócio.

Obrigado, Ricardo Andorinho pelo muito que deste ao nosso Sporting.

Gouveia disse...

Ricardo,

Esta tua pequena crónica emocionou-me muito porque foi a Nave e em especial o Andebol que completaram a minha matriz de Sportinguista. Se não fossem as modalidades, o Atletismo e o ambiente ecléctico que havia no nosso clube naquela época eu não teria o fervor e a paixão leoninas que tenho hoje!

Lembro-me bem dessa magnifica equipa que venceu no ano do titulo 2000/01 e que derrotou na Nave o ABC por 11-6 com 6-3 ao Intervalo! O jogo mais intenso a que assisti...

Dei o meu pequeno contributo ao Andebol e ao clube quando organizei uma Conferência sobre o Andebol Leonino no âmbito das comemorações do Centenário. Muito por "culpa" dum senhor chamado Manuel Brito, outro dos nossos heróis!

A partir de 2003 e com a demolição do Estádio ( esse sim) José Alvalade e da mítica Nave, as modalidades passaram a ser o parente pobre do Sporting, e é a maior vergonha da história deste clube - o mais ecléctico de Portugal e 2º da Europa - não existir um pavilhão!

Sem comentários!

Obrigado Ricardo... por tudo!

Viva o Sporting!

Luís Magalhães Pereira

Gouveia disse...

Ah claro... e parabéns ao maissporting por esta bela iniciativa!

Luis MP

Paulo Alves disse...

Obrigado Ricardo!